Histórias de sucesso

Vidas reais transformadas

Passar por uma cirurgia bariátrica é um acontecimento que muda a vida de uma pessoa. Talvez ninguém consiga entender isso melhor do que alguém que já tenha passado pela cirurgia e assumido o compromisso que ela exige para toda a vida. Aqui, algumas pessoas bem-sucedidas contam suas histórias e impressões…

Sobre o excesso de peso

Quando eu era obesa, vivia deprimida. Sempre me colocava em segundo plano em relação aos outros. Não conseguia namorar como as outras pessoas, porque me sentia inferiorizada, insegura e feia. Eu sempre tinha medo das situações de convívio social e tentava evitá-las a todo custo.

Quanto à minha saúde, eu não tinha energia e estava sempre cansada. Meu colesterol estava descontrolado. Aos 40 anos, recebi o diagnóstico de diabetes – a mesma idade que a minha mãe tinha quando foi diagnosticada.

Diagnóstico de diabetes

O fato de que a minha mãe tivesse diabetes teve um impacto ENORME na minha vida. Em julho de 1977, ela teve um coma diabético. Lembro-me dela com bandagem elástica em todo o corpo, embrulhada como uma múmia. A partir daí, eu visitava a minha mãe no hospital quase todos os dias. Ela ficou praticamente cega, e não conseguia mais ler, dirigir, ver televisão… todas as coisas que ela adorava. Vi quando ela foi para uma clínica de recuperação, ficou muito magra e passou a fazer diálise. Lembro-me de acordar cedo, ir buscá-la no centro de recuperação e levá-la ao centro de diálise. Também me lembro de ter passado inúmeros feriados no hospital e de quando ela faleceu, na véspera de Ano Novo, depois de uma luta longa e terrível. O fato de ter acompanhado o sofrimento dela certamente mudou a minha vida.

Para a minha mãe, não havia nenhuma ajuda. Mas para mim, havia uma alternativa, e eu não quis desperdiçá-la. Eu não queria sofrer como a minha mãe. Dois meses depois de receber o diagnóstico de diabetes, fiz a cirurgia de bypass gástrico.

Sem diabetes agora

Três meses depois da minha cirurgia, meus primeiros exames de sangue voltaram normais – fiquei com vontade de sair dançando e contando para todo mundo. E a minha taxa de glicose no sangue continua normal até hoje. Por causa de tudo o que a minha mãe passou, é como se um peso enorme tivesse sido tirado dos meus ombros.

Sobre como manter os resultados

Por meio da cirurgia de bypass gástrico, perdi 47 kg. (Dois anos mais tarde, recuperei menos de 1 kg.) Meu colesterol e minha pressão arterial estão normais. Eu não podia nem imaginar que algum dia me sentiria tão bem como agora.

Comer de maneira nutritiva ainda é uma tarefa diária para mim. Não como nenhum alimento branco processado; nada de pão branco, arroz ou batata. Não como açúcar nem qualquer alimento que contenha açúcar, só adoçantes artificiais.

Além disso, eu me peso todos os dias para me orientar. A balança é a minha principal ferramenta; ela me diz como devo comer para manter meu peso em determinado dia.

O impacto da cirurgia

Pela primeira vez na minha vida, tenho minha saúde, minha confiança e minha alimentação sob controle. Agora eu gosto de mim mesma, o que me permite gostar de outras pessoas. A cirurgia não mudou quem eu era; só realçou a pessoa que estava escondida atrás de todo aquele peso. A cirurgia abriu o mundo para mim… agora sinto que nada é impossível. Não tenho mais medo, não sinto mais necessidade de me esconder nem tenho vergonha de quem eu sou.

E as roupas… ficaram ótimas. ADORO comprar roupas da moda; ao comprar as minhas primeiras calças jeans – jeans de verdade – tive a melhor sensação de todos os tempos. É ótimo sentir-se confortável na própria pele e não se sentir insegura com qualquer roupa que se use.

Palavras de conselho

Para alguém que esteja considerando a possibilidade de fazer cirurgia de bypass gástrico, eu diria FAÇA – e nunca se arrependa. Sua saúde e seu bem-estar são prioridades absolutas.

Mas eu também lembraria que isso não é para pessoas sem força de vontade. A cirurgia não é uma solução mágica; é uma ferramenta. Não pense que você vai perder peso e voltar a comer como antes. Essa ferramenta exige que você se ajuste e trabalhe com ela continuamente.

*Na época da entrevista, mais de dois anos após a cirurgia.

Excesso de peso na infância e na idade adulta

Eu me tornei extremamente obesa a partir dos 10 anos de idade. As outras crianças me importunavam. Eu sempre era escolhida por último para qualquer equipe de esportes e era péssima nas aulas de ginástica, por ser tão pesada. Tinha que usar roupas antiquadas, por causa do meu tamanho. Não tinha chance com os rapazes bonitos da escola porque eu era "aquela gorda".

Aos 45 anos, comecei um trabalho em que eu precisava usar roupa de escritório, e me sentia muito desconfortável, especialmente com meias e saltos. Eu e meu marido adoramos viajar, mas eu tinha dificuldade com o tamanho dos assentos nos ônibus e aviões. Costumava ter a sensação de que deixava o meu filho envergonhado porque a mãe dele era a mais gorda da turma. Um pouco antes da cirurgia, eu estava tendo a mesma sensação com o meu marido; eu tinha vergonha de encontrar os amigos dele porque eles sempre me olhavam com cara de “Nossa, como é GORDA a mulher do Brad!”. A obesidade mórbida é terrível para o amor próprio de qualquer pessoa.

O impacto da obesidade na minha saúde

Eu sempre tive muitos problemas com meu ciclo menstrual desde o início devido ao fato de ser obesa. Tive problemas para ficar grávida e, depois que fiquei, tive dificuldades em levar adiante a gravidez.

Tive muitos problemas de saúde e várias operações ao longo dos anos. Os meus pés sempre doíam. Os meus joelhos doíam. O meu quadril também. Tive DRGE (doença do refluxo gastroesofágico / queimação severa) e roncava terrivelmente! Aos 50 anos de idade me disseram que eu era diabética. Depois fui diagnosticada com gastroparesia. E mais tarde me disseram que eu tinha problema no fígado (que no fundo era resultado de toda a gordura depositada no meu fígado – e que se reverteu depois da cirurgia).

Conforme fui ficando mais velha, minha saúde piorou, e eu atribuía isso à idade. Mas assim que perdi todo o excesso de peso, descobri que o problema era o meu peso!

Tentativas anteriores de perder peso

Fiz inúmeras dietas especiais – e sempre voltava a ganhar mais peso do que tinha perdido. Com um [conhecido] plano de dieta, eu perdi 20 kg e ganhei 27. Com outro, perdi 22 kg e ganhei 29. Com outro, perdi 31 e ganhei 38.

O dia-a-dia com diabetes

Fui diagnosticada quando tinha 50 anos. Comecei uma dieta para diabéticos, mas não ajudou. Me receitaram uns comprimidos que me fizeram ganhar peso e me sentir muito inchada. Fiquei nessa durante cerca de dois anos. Mudei de médico e ela me receitou comprimidos de metformina. Comecei com 500 mg por dia e cheguei a 2000 mg por dia.

Os meus testes de A1C não estavam bons. Ficavam sempre em 7,8 ou mais. A minha taxa de glicose no sangue nunca ficava abaixo de 130 ou 140. Eu tinha que medi-la quatro vezes por dia. Esse processo é doloroso, e não é nada conveniente sair para comer e ter que verificar a glicose em público. Eu tinha que ir ao médico a cada três meses para verificar a diabetes. Era caro e causava sempre uma preocupação, o que acabava gerando mais pressão em mim.

O fato de ter diabetes fez com que eu tomasse muito cuidado com o que comia. Precisava ficar longe de sobremesas ou de qualquer tipo de açúcar ou amido. Parecia que estava comendo cada vez mais, mas tentava ficar longe dos carboidratos. Aquilo me deixava um pouco deprimida e na verdade piorava os meus hábitos alimentares.

TUDO na minha vida passou a girar em torno de quando eu comia, do que eu comia e de como ficaria a minha taxa de glicose.

Situação da diabetes depois da cirurgia

Benefícios para a diabetes após a cirurgia

EU NÃO SOU MAIS DIABÉTICA!! Eu tinha ouvido dizer que essa cirurgia podia ajudar a diabetes, mas sinceramente eu não acreditei! Eu achava que a diabetes me controlaria para o resto da minha vida.

Mas vi a mudança no dia seguinte à cirurgia. Voltei para casa depois do hospital e verifiquei a minha taxa de glicose – estava normal.

Agora estou livre das picadas nos dedos! Estou livre da dieta para diabetes! E parei com todos os remédios. Posso comer o que eu quiser sem me preocupar com a taxa de glicose no sangue. Eu e meu marido podemos sair com nossos amigos e pedir comida normal. Não preciso mais ir ao médico a cada três meses; a única situação em que preciso de um médico agora é se eu ficar doente.

Sobre a decisão de fazer a cirurgia

Assim que tomei a decisão, senti ESPERANÇA! Senti como se finalmente estivesse fazendo algo para mim mesma! Eu sempre ajudava todo mundo, sempre me preocupava com os outros. E estava ficando mais gorda, mais doente e me entregando. Mas então eu fiquei animada, como se eu finalmente tivesse uma chance de ser mais saudável e talvez até de ficar mais bonita!

Melhoras na minha saúde (uma lista)

Eu estava tomando quase 20 remédios antes da cirurgia. HOJE EU NÃO TOMO NENHUM REMÉDIO DE RECEITA! Só tomo vitaminas e cálcio.

  • Os meus joelhos, quadris e pés não doem mais.
  • Não tenho mais DRGE.
  • NÃO tenho mais gastroparesia.
  • NÃO TENHO DIABETES!
  • Não ronco mais.
  • Não tenho mais coceira por causa da diabetes.
  • Não suo mais por sentir calor o tempo todo.
  • E consigo fazer exercícios.

O impacto da cirurgia na minha vida

A minha vida inteira mudou. O simples fato de não ser mais "velha e doente" é como um milagre para mim. Faço exercícios e me sinto 30 anos mais jovem. Meu marido e minha família inteira sentem mais respeito; vejo o olhar de orgulho nos rostos deles.

Posso fazer compras em uma loja normal e não apenas no departamento “feminino”. Caibo em aviões, ônibus e em todos os assentos normais – OBA!

Palavras de incentivo

Vou fazer 60 anos dentro de poucos dias. NÃO sou uma mulher jovem e não era uma mulher saudável. Mas agora estou viva e vibrante e cheia de esperança para o futuro. Essa cirurgia foi o melhor presente que já dei a mim mesma. Sei que vou viver mais tempo e ver o meu neto crescer. Ele tem 2 aninhos – e ficou surpreso de ver como a Vovó consegue brincar, correr e lutar com ele!

Esta cirurgia salvará a sua vida de várias maneiras! Se eu consigo fazer isso... VOCÊ TAMBÉM CONSEGUE!!

*Na época da entrevista, cerca de sete meses após a cirurgia.

O impacto da obesidade na minha vida

O fato de ser gravemente obeso me deixava extremamente lento. Eu fui dançarino profissional na Broadway e na televisão. Mas me machuquei e precisei dar um descanso para os meus pés durante um ano. Ganhei 27 kg naquele ano e continuei engordando.

O fato de ser muito gordo foi devastador para a minha saúde. Causou diabetes, apnéia do sono, um problema cardíaco, hipertensão, colesterol alto.

Sobre a decisão de fazer a cirurgia

Com todos esses problemas de saúde, não foi difícil decidir pela cirurgia. Eu já tinha feito dois procedimentos para colocação de stent. Os meus médicos me disseram que eu era uma bomba-relógio ambulante.

Eu queria ver a minha filha se formar na faculdade e se casar – e senti que nunca conseguiria viver isso se não fizesse a cirurgia. Nos últimos três anos, consegui realizar esses dois objetivos.

Situação da diabetes antes e agora

Fui diagnosticado com diabetes em 1988, e ela foi ficando mais séria com o tempo. Eu tomava insulina duas vezes por dia, além de metformina. Além disso, seguia dietas pobres em sódio e em gorduras. A diabetes realmente me deixava lento, cansado e sem disposição.

Três meses depois da cirurgia bariátrica, fiquei sabendo que a minha diabetes tinha melhorado. Estou me controlando agora… estou um pouco acima do que deveria – mas muito longe de onde estava antes.

Outros resultados da cirurgia

No primeiro mês após a cirurgia, perdi cerca de 5,5 kg. Depois de três meses, 20 kg, e depois de seis meses, 38 kg. No final do primeiro ano, eu tinha perdido 59 kg.

Não tenho apnéia de sono. Todos os números dos meus exames [pressão arterial, colesterol] diminuíram drasticamente.

Sobre como manter os resultados

Para manter meus resultados, eu como corretamente, permaneço ativo e freqüento um grupo de apoio a pacientes bariátricos. Essa cirurgia não é uma solução rápida. Isso não existe. Com certeza, você precisa se esforçar

A vida depois da cirurgia

A cirurgia bariátrica me deu outra chance de ter uma vida normal. Gosto do jeito como as pessoas reagem à minha presença agora. Quando encontro pessoas que não vejo há algum tempo, elas confessam que não me reconhecem.

Eu me sinto ótimo. Fiquei muito tempo sem poder sair e comprar roupas normalmente. Agora eu posso. Não preciso mais ir àquelas lojas para gordos.

A melhor coisa de ter um peso saudável é que eu não penso todos os dias que vou ter um ataque cardíaco ou acabar num hospital. É uma sensação tão boa!

*Na época da entrevista, seis anos após a cirurgia.